25 de ago de 2014

O NÃO DESAPARECIMENTO DE MARIA SOMBRINHA - (A Menina Sem Palavra) - Mia Couto.


A Menina Sem Palavras, uma obra escrita pelo talentosíssimo Mia Couto, que nos mostra contos diversos.
Com temas, fatos e emoções distintas. Mas inesquecíveis de uma maneira singular.
O autor usa e abusa de elementos realísticos, que nos transporta para vivencias tão concretas e ao mesmo tempo tão distantes. Ele consegue nos passar a verdade, por muitos “desconhecida” de uma forma leve que nos faz refletir.
“O Não Desaparecimento de Maria Sombrinha”, nos mostra exatamente isso. Algo que acontece em tantos lares, com tantas famílias e que muitos fingem não enxergar.
A fome, a sede, e desaparecimento cultural!

Maria Sombrinha é a típica personagem que não teve uma educação, um apoio, e uma saúde de qualidade. Assim como muitos que hoje habitam o nosso país.

Por não ter essas condições que deveriam ser básicas para todo ser humano, ela engravidou ainda criança.
Sem informações e sem uma ajuda apropriada, como ela poderia cuidar de uma criança?
Como Maria Sombrinha poderia ser mãe, se precisava se cuidados tanto quanto sua filha, Maria Brisa.
A cada dia que se passava mãe e filha se tornavam mais fraca.
Sem comida.
Sem água.
Sem um lar apropriado.
Maria Sombrinha foi sumindo.
Sumindo até não sobrar nada.
Ela precisa de ajuda para sair do fundo do poço.
Ela precisa de alguém que reflita e que junto com um governo descente, olhe por ela.
Qual será o fim de Maria Sombrinha?
Ela terá condições de se manter viva para cuidar de sua filha?
De sua família?
Mia Couto mais uma vez nos surpreende, e nos faz pensar em atitudes que deveríamos ter.
Casa de Livro Recomenda.

Afinal, quantos lados tem o mundo no parecer dos olhos do camaleão?

Titulo: O Não Desaparecimento de Maria Sombrinha - A Menina Sem Palavra
Autor: Mia Couto
Páginas: 160
Ano: 2013
Editora: Boa Companhia

Boa Leitura
Casa de Livro

Karina Belo.




Valia a pena sombrear a miúda, minhocar-lhe o juízo? Mas Sombrinha não deixou de rimar com a alegria. Afina, era ainda menos que adolescente, dada somente a brincariações. Sendo assim tão menina, contudo, certo dia ela se barrigou, carregada de outrem. Noutros termos: ela se apresentou grávida. Nove meses depois se estreava a mão. Sem ter idade para ser filha como podia desempenhar maternidades?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: