10 de set de 2012

Almeida Garret - VIAGENS NA MINHA TERRA

                                      
Clássico escrito por Almeida Garret, Viagens na minha Terra, pode ser considerado um romance contemporâneo. Além da viagem que de fato acontece paralelamente o autor nos conta um romance sentimental.
O que mais me encantou na obra, é que Garret nos conta um fato real, uma viagem que o mesmo realmente fez a Santarém e que teve o cuidado de situar no tempo. Tantas e tais viagens, que nunca delas o leva justamente, pela mão de um companheiro e itinerário, a centrar-se no drama sentimental de Carlos e a meninas dos rouxinóis, Joaninha.
Mas vamos então comentar melhor sobre essa obra maravilhosa. O romance resume-se, a intrincada história de uma velhinha com sua neta Joaninha. A menina moça tem um primo, filho da única filha da avó. Que já chegou a falecer.
Todas as semanas Frei Dinis vinha visita-las e algumas vezes trazia notícias de Carlos, que já algum tempo, fazia parte do séquito de D. Pedro. Só que a maneira como Frei Dinis falava de Carlos, dava para perceber algo que só a idosa e o mesmo conheciam.
Passara o ano de 1830, Carlos então se formou em Coimbra, e só então visitou sua família, mas com muitas reticências em relação a avó e a Frei Dinis. Carlos também pressentia que ele e a avó mantinham um segredo, ele sentia isso, era quase palpável. Carlos em suas andanças, já tinha elegido uma fidalga para ele. D. Georgina, mulher de fino trato, com era expressada na época.
Em contra partida a guerra civil progredia, eram meados de 1833. Os constitucionalistas tinham tomado a esquadra de D. Miguel. Lisboa estava em poder deles, e Carlos era um dos guerreiros da parte Realista.
Em 11 de Outubro, os soldados estão por todos os lados de Lisboa, as tropas constitucionais vinham ao encalço dos Realistas, e na batalha sangrenta, e que batalha, muitos ficaram feridos.
A Casa de Joaninha foi tomada por soldados Realistas, que vigiavam a passagem dos Constitucionais. Joaninha em um passeio por perto de casa, encontra então Carlos, um dos guerreiros. Ele pede que a moça não diga que ele está lutando ali, mas abraçam-se e trocam juras de amor ali mesmo. Só que Carlos sabia que Georgina o esperava, e a sua mente tornou-se confusa, já não sabia se amava Georgina, o sentimento por Joaninha era enorme, ele não conseguia se decidir.
Com Carlos ferido e alojado perto do vale onde morava Joaninha, essa veio inúmeras vezes vê-lo, e ajudá-lo na enfermidade. Certo dia Carlos depois de muita insistência de Joaninha foi ver a avó, e ficou surpreso da cegueira da senhora, como sempre encontrou no local Frei Dinis, e quanto mais olhava menos gostava do senhor. Enquanto permaneceu por perto, Carlos e Joaninha mantiveram em segredo um caloroso e inesquecível romance.
Mas Carlos, já curado dos ferimentos seguiu para a tropa, e antes passou na casa da avó para se despedir. Implorou para que ela contasse a verdade sobre o suspeito segredo. Então Dona Francisca conta que o Frei Dinis é o verdadeiro pai do rapaz. Conta também que a sua mãe morreu de desgosto e para se defender, Frei Dinis matou o pai de Joaninha, e o marido da sua amante.
Carlos partiu atordoado, deixando Joaninha desolada. Volta a viver com Georgina. Escreve a prima contando todo o seu romance com Georgina o que para a moça foi um impacto terrível. Mais tarde Carlos se tornou Barão. Carlos também abandonou Georgina. 
Joaninha enlouqueceu e morreu. Frei Dinis foi quem cuidou da velha senhora até a morte. E assim o Comboio chega ao terreiro do Paço, e Garret finaliza mais uma das suas melhores obras.
Almeida Garret fez uma magnifica obra, que foi o ponto de arranque da moderna prosa literária portuguesa, pela mistura de estilos e de gêneros, pelo cruzamento de sua linguagem clássica com a popular. Jornalística e dramática, ressaltando a vivacidade de expressões e imagens pelo tom oralizante do narrador.
Uma linda história que é deve ser obrigatória não só em vestibulares, mas também para a vida de cada ser humano existente.

Titulo: Viagens na minha Terra
Autor: Almeida Garret
Ano: 1846
Páginas: 268
Editora: Martin Claret

Boa Leitura

Casa de Livro Blog

Karina Belo


O coração humano é como o estômago humano, não pode estar vazio, precisa de alimento sempre: são e generoso só as afeições lhe podem dar; o ódio, a inveja e toda a outra paixão má é estímulo que só irrita, mas não sustenta. Se a razão e a moral nos mandam abster destas paixões, se as quimeras filosóficas, ou outras, nos vedarem aquelas, que alimento dareis ao coração, que há de ele fazer? Gastar-se sobre si mesmo, consumir-se… Altera-se a vida, apressa-se a dissolução moral da existência, a saúde da alma é impossível.
Sim, leitor benévolo, e por esta ocasião vou te explicar como nós hoje em dia fazemos a nossa literatura. Já não me importa guardar segredo; depois desta desgraça não me importa já nada. Saberás, pois, ó leitor, como nós outros fazemos o que te fazemos ler.
Trata-se de um romance, de um drama — cuidas que vamos estudar a história, a natureza, os monumentos, as pinturas, os sepulcros, os edifícios, as memórias da época? Não seja pateta, senhor leitor, nem cuide que nós o somos. Desenhar caracteres e situações do vivo na natureza colori-los das cores verdadeiras da história… isso é trabalho difícil, longo, delicado, exige um estudo, um talento, e sobretudo um tato!…
 Não senhor: a coisa faz-se muito mais facilmente. Eu lhe explico. Todo o drama e todo o romance precisa de: Uma ou duas damas. Um pai. Dois ou três filhos, de dezenove a trinta anos. Um criado velho. Um monstro, encarregado de fazer as maldades. Vários tratantes, e algumas pessoas capazes para intermédios. Ora bem; vai-se aos figurinos franceses de Dumas, de Eug. Sue, de Vítor Hugo, e recorta a gente, de cada um deles, as figuras que precisa, gruda-as sobre uma folha de papel da cor da moda, verde, pardo, azul — como fazem as raparigas inglesas aos seus álbuns e scraapbooks, forma com elas os grupos e situações que lhe parece; não importa que sejam mais ou menos disparatados. Depois vai-se às crônicas, tiram-se um pouco de nomes e de palavrões velhos; com os nomes crismam-se os figurões, com os palavrões iluminaram…(estilo de pintor pintamonos). E aqui está como nós fazemos a nossa literatura original.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: