15 de abr. de 2021

O MEDO GLOBAL

Os que trabalham têm medo de perder o trabalho.

Os que não trabalham têm medo de nunca encontrar trabalho.

Quem não tem medo da fome, tem medo da comida

Os automobilistas têm medo de caminhar e os peões têm medo de ser atropelados.

A democracia tem medo de recordar e a linguagem tem medo de dizer.

Os civis têm medo dos militares, os militares têm medo da falta de armas, as armas têm medo da falta de guerras.

É o tempo do medo.

Medo da mulher à violência do homem e medo do homem à mulher sem medo.

Medo dos ladrões, medo da policia.

Medo da porta sem fechadura, ao tempo sem relógios, ao menino sem televisão, medo da noite sem pastilhas para dormir e medo do dia sem pastilhas para despertar.

Medo à multidão, medo da solidão, medo ao que foi e ao que pode ser, medo de morrer, medo de viver.


Eduardo Galeano (Jornalista e escritor uruguaio). 


Imagem: "O grito", de  Edvard Munch