19 de jun de 2014

KAROLINA MACHADO - Shri Damodara


Shri Damodara, uma autora que nos presenteou com um exemplar de sua obra, Karolina Machado.
Agradecemos a autora, por uma obra tão especial, realista e emocionante que honrosamente pudemos ler.
Karolina Machado é uma obra que retrata espetacularmente, os prostíbulos brasileiros, a vida no interior, e o preconceito da população.
Karolina Machado é uma garota linda, inteligente e forte. Determinada ela tenta de todas as formas mudar a sua história a sua vida.
Sua mãe se chamava Carolina, uma prostituta que morreu ao dar a luz, mas que fez um último pedido. Que sua filha se chamasse Karolina, com K, Karolina Machado.
A garota foi criada por Conceição, uma prostituta que lutou para dar uma vida digna a Karolina, mesmo vivendo nas condições em que se encontravam. Na cidade de Monte Belo, as mulheres do prostíbulo eram tratadas como lixo, e ela não queria essa vida miserável para sua protegida.
Mas nada seria fácil para essas duas. Os anos se passam e Karolina se torna uma mulher linda, segura e pronta a enfrentar todos os desafios que a vida lhe impõe.
Mas sua vida muda drasticamente quando Conceição descobre  que esta doente. E a morte é rápida.
Ela se vê então sozinha, a enfrentar uma vida que não conhece, uma vida que não lhe pertence.
Karolina passa a ser usada por Marcondes, um rapaz pelo qual ela foi perdidamente apaixonada. Seu primeiro amor.
Quando ela percebe, já é uma prostituta. Entrou para uma vida a qual Conceição tanto lutou para afastá-la.
Confiou em pessoas que apenas mentiram, riram de Karolina.
Apaixonou-se por vários de seus fregueses, de formas distintas. Ela esta ali para distraí-los, para dar o que eles mais desejam.
Mas quando Zé Fernandes, um professor sensível e apaixonante, entra em sua vida. Karolina descobre que o prostíbulo não faz parte dela, não faz parte de sua história futura, e não fará parte da vida de seu filho.
Mas Zé Fernandes é casado, e uma grande tragédia irá acontecer entre esse triângulo amoroso, que fará Karolina abandonar sua casa, seu passado e ir à busca de um lugar novo.
Ela passa então a escrever uma nova história, com muitos problemas sim, mas sempre com um sorriso no rosto. Agora ela está livre de todas as pessoas que a usaram. Livre de um passado sujo que ela tanto repudiava e livre de uma vida sem dignidade.
Qual será o destino de Karolina Machado?
Qual o fim de Marcondes? Ele irá atrás dela?
Zé Fernandes abandonará sua vida para ficar com uma prostituta?
Uma história que me encantou do começo ao fim, que mostrou a destruição que o preconceito causa.
Uma obra fantástica, que todos devem ler.
Casa de Livro Recomenda.



“Sou uma prostituta. Dou aos homens o que eles precisam.
Amor, humor, aventura.”



Titulo: Karolina Machado
Autora: Shri Damodara
Ano: 2013
Páginas: 156
Editora: Clube de Autores

Boa Leitura.
Casa de Livro.

Karina Belo.


Karolina, desconcertada, voltou os olhos ao chão. Porque preferiu o silêncio. Ela não podia contar a sua história e seus motivos para aquele homem. Sabia que não era hora de apanhar episódios e experiências, feito se apanha os cacos cortantes de uma jarra de vidro, para começar colá-los, um a um, em busca de uma unidade e sentido para as coisas. Aquele gentil senhor, que partisse tranquilo. Ela estava mesmo fazendo algo extremamente necessário. Era preciso continuar. Apesar da sincera advertência. 

 

 Marcondes se levantou, exasperado.
“Karolina, eu acho que você está enfeitando as coisas. Quer dizer. Só pode estar. Você é linda. É diferente dessas meninas todas. Mas eu nunca disse que queria me casar. Aliás, eu nunca vou me casar com ninguém! Escute, bonitinha, eu não sou homem para você! E ainda bem que não aconteceu nada de fato entre nós... Porque e se tivesse acontecido? Você bem que era  capaz de exigir compromisso, não é, espertinha, me colocando na forca! Adeus, Karolina. Compromisso, comigo? Enlouqueceu!”


 Antônia abriu a porta lentamente, para que ninguém acordasse. Karolina enrolou-se num lençol. Lá fora, noite fria. O cãozinho miúdo, que dormia aninhado na calçada, sacudiu a calda porque reconheceu sua senhora.
“O que foi, Antônia?”
“Veja.”
Antônia sentou-se sob a mangueira. Karolina o fez também.
E juntas, olharam as estrelas. O céu, um espetáculo aberto e puro.
“O que vê, Karolina?”
“O mundo.”
“Não Karolina, é Deus.”




“A morte aparecendo neste exato momento, junto-me a ela com o maior orgulho e devoção. Da vida, conquistei minha consciência. Da vida, pude sair de meus próprios cativeiros. Meu sobrenome Machado, minha mãe não me legou à toa.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: