7 de jul de 2014

NOVE DIAS PARA AMAR - Angélica Calheiros



Mais uma talentosíssima autora, parceira do Blog Casa de Livro.
Angélica Calheiros nos honrou com um exemplar de sua obra, “Nove Dias para Amar”. Um livro que me encheu de sentimentos bons, e me fez pensar em detalhes pequenos que às vezes não percebemos, mas que podem fazer total diferença em nossas vidas.
“Nove Dias para Amar” é um romance leve, escrito com uma habilidade impressionante. A autora soube usar os elementos básicos para compor um romance de sucesso, sem torná-lo cansativo aos leitores.
Lena sempre foi uma garota apegada a família. Uma vida feliz, até que uma tragédia se abateu sobre aquela casa. Seu irmão mais novo, Felipe, morreu em um trágico acidente.
Sua vida então desmoronou. Ela se sentia culpada, seu pai se sentia culpado, e sua mãe culpava a todos ao seu redor. Foi como se uma bomba explodisse, literalmente, e arrancasse seus membros, deixando apenas a tortura.


Mesmo após anos, a dor continuava presente. Sentir falta era inevitável, porém o pior de tudo era saber que sua vida nunca mais seria minimamente suportável.
Cada dia que se passava a convivência em sua casa se tornava pior. Seus pais só brigavam, já não aguentavam ficar um ao lado do outro. Lena parecia invisível aos olhos deles.
Mas para surpresa, sua mãe decidiu que eles deveriam viajar. Só os três. Fazer um passeio em família e tentar apagar algumas lembranças que tanto os atormentava.
Ela queria recuperar sua família. Seu marido, sua filha. Ela queria forças para conseguir seguir em frente, para demonstrar todo o amor que sentia por quem estava ao seu lado.
Partiram então para Cabo Frio, Rio de Janeiro. Após algumas turbulências na viagem, se hospedaram em uma pousada de frente para a praia. Passariam ali nove dias. Nove dias que serão inesquecíveis para Lena, e que mudarão totalmente o rumo de sua história.


É nessa viagem que Lena descobre o significado do amor.
Em um lugar totalmente diferente de sua realidade, onde as lembranças surgirão como facas em seu coração. Que as brigas se tornarão cruciais, que decisões serão tomadas e desafios enfrentados.
Mas serão no meio de todos esses distintos sentimentos que Lena conhecerá Ian.
Ian é um garoto encantador, trabalha na cozinha da pousada onde ela está hospedada.
Será ele que irá estender a mão no momento em que ela mais precisar?
Ele que estará ao lado dela, dando força e dizendo as palavras certas para vê-la sorrir.
Será ele que realizará seus sonhos?
Mas são apenas nove dias.
Nove dias que Lena terá para amá-lo, para ter a plena certeza de que Ian é a pessoa que ela deseja em sua vida, pela eternidade.
Qual será o desfecho dessa magnífica história?
Seus pais conseguirão se entender?
Lena poderá encontrar algum momento de paz?
Seu amor por Ian será correspondido?
No meio de todas aquelas pessoas diferentes, ela se sentiu em casa.

Momentos difíceis passaram, enfrentou seus medos e passou por desafios totalmente dolorosos.
Em uma viagem de nove dias, Lena descobriu o significado da amizade, do amor. E entendeu que a eternidade, dura o tempo em que é vivida.
Parabéns Angélica Calheiros, seu trabalho é incrivelmente belo. A equipe Casa de Livro deseja todo o sucesso, e espera muitos outros livros.
Casa de Livro Recomenda.

"Se eu pudesse escolher entre receber muito dinheiro ou ter meu irmão de volta, qualquer pessoa, com o mínimo de sanidade mental, sabe o que eu escolheria".

Para compra da obra: 

 http://www.amazon.com.br/Nove-Dias-Para-Ang%C3%A9lica-Calheiros-ebook/dp/B00LBC2NQ0/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1404338185&sr=8-1&keywords=Nove+dias+para+amar

Titulo: Nove Dias Para Amar
Autora: Angélica Calheiros
Páginas: 150
Ano: 2014
Editora: Multifoco

Boa Leitura.
Casa de Livro.

Karina Belo.



Tudo naquele lugar era lindo, principalmente o mar sem fim. Mas, no instante seguinte, sua imensidão me entristeceu. Eu me lembrei de Felipe e do quanto sentia falta dele. E também de que, em vez de protegê-lo, eu me distraíra escolhendo conchas perdidas na areia daquela praia tão distante dessa onde me encontravam agora, mas, ao mesmo tempo, tão parecida.

 

- Eu não fui muito nova para organizar o enterro do meu irmão porque nem você ou minha mãe tinham forças para sair da cama. Eu não fui muito nova para começar a trabalhar enquanto estudava quando o senhor decidiu que passar um tempo na casa do seu irmão seria a melhor opção e minha mãe caiu em depressão. Eu cuidei dela, pai. Eu não fui muito nova para fazer nada disso, então por que eu seria nova para entender alguma coisa sobre amor?


Não foi difícil escolher um tema para os desenhos depois que falara com Ian, semanas atrás. Facilmente, as imagens que tanto havia me inspirado naqueles nove dias invadiram os meus pensamentos, acendendo pequenos pontos de luz na minha imaginação. Eu quis desenhar paisagens solitárias, o mar sob a luz da lua, os tons de azul, roxo e preto do céu escuro e as estrelas amareladas que enfeitavam a noite. Quis desenhar Ian. Martha e Marcus, à beira da praia. Meus pais, andando de mãos dadas sobre a areia. Eu desenhei amor, esperança, momentos únicos e pessoas importantes, tudo o que marcara a minha vida durante os nove dias que eu tinha passado longe de casa.



Eu me lembro de ter lido em algum lugar que se apaixonar é uma bênção e uma tragédia, ao mesmo tempo. Uma bênção porque, se você ama alguém, é sinal de que o seu coração teve um desejo realizado, provavelmente o maior de todos. Uma tragédia porque, muitas vezes, o amor acaba em dor. Eu me apaixonei por você e, se para outras pessoas ou até mesmo para você isso acabou em tragédia, eu sinto muito, mas não voltaria atrás nem por um segundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: