8 de fev de 2016

A CONDESSA SANGRENTA - Alejandra Pizarnik


Alejandra Pizarnik escreveu um relato alucinante sobre a vida da condessa húngara Erzébet Báthory.
Erzébet Báthory passou seis anos de sua vida assassinando, de forma cruel, jovens de doze a dezoito anos.
Uma das mulheres mais poderosas da região, a condessa, sentia prazer ao adotar o sistema sádico.


Suas criadas viviam em constante medo e apreensão. Qualquer erro, ou atitude considerada errada perante ao olhar crítico de sua senhora, era motivo para castigos sangrentos. 



Quando entediada, Erzébet Báthory sempre escolhia uma de suas criadas para ser morta sob torturas.
Seiscentos e cinquenta garotas foram assassinadas pela condessa.
Crimes brutais onde a poderosa senhora sentia um animalesco prazer. 


Os gritos de dor e medo eram como remédios para qualquer enfermidade que a condessa vinha enfrentando.
Ela precisava de controle.
Qual será o desfecho dessa história?
Até quando Erzébet Báthory ficará impune?
Um relato magnífico sobre torturas sangrentas, que todos devem ler. 
Casa de Livro Recomenda. 


Há um leve gesto da moça para se aproximar mais das tochas, de onde emana o único calor. Jogam mais água em cima dela e ela fica, para sempre de é, erguida, morta.


Titulo: A Condessa Sangrenta. 
Titulo Original: La Condesa Sangrienta
Autor: Alejandra Pizarnik
Ano: 1971
Editora: Tordsilhas

Boa Leitura. 
Casa de Livro. 
Karina Belo.


Ninguém tem mais sede de terra, de sangue e de sexualidade feroz do que estas criaturas que habitam os frios espelhos. 

Um comentário:

Comente: