20 de ago de 2012

Khaled Hosseini - O CAÇADOR DE PIPAS

                                          
Eleito o melhor livro do ano, e destacado como um livro notável, O caçador de pipas é um romance extraordinário.
A obra nos conta a história de Amir, um garoto rico de Cabul, capital do Afeganistão, que é atormentado pela culpa. Sentimento esse por ter traído seu criador e melhor amigo, Hassan, filho de Ali.
Ali era empregado do pai de Amir, um senhor humilde muito leal e amigo da família.
A história tem como cenário uma série de acontecimentos políticos tumultuosos, que começa com a queda da monarquia do Afeganistão em julho de 1973. Livro que irá fazer os amantes de História vibrar, e ficarem extasiados com a sucessão de acontecimentos e informações passadas de uma maneira brilhante.
Amir cresceu no Afeganistão, cresceu no meio dessa guerra toda, no meio de revoltas. Seu pai também era de certa forma um criminoso, e ele era sozinho. Sua mãe morreu durante o parto, sua relação com o próprio pai é formal,  e seu melhor amigo é Hassan.
Hassan, a vergonha de Amir, um garoto Hazara de lábio leporino, filho do empregado da família. Como ele poderia sair com Hassan ao seu lado sem se envergonhar? Como Amir poderia tratar Hassan bem na frente dos outros garotos? E como seu pai pode gostar mais do empregado do que dele mesmo?
Amir não entende, ele não consegue de nenhuma maneira entender o afeto que seu pai demonstra ter por Hassan, afeto esse que resultou em uma plástica, paga pelo pai de Amir, para corrigir um defeito de nascença do garoto. Seu pai sempre foi muito mais ligado à Hassan do que nele...
Mas Amir adora brincar com Hassan, os dois são os melhores soltando pipa, uma equipe espetacular. Amir é campeão no campeonato anual de pipas, e Hassan um talentoso caçador de pipas, é ele quem apanha as pipas caídas para exibi-las como troféus.
Aos dozes anos de idade, Amir é o destaque da competição, e é a primeira vez que ele vê nos olhos do pai, respeito. Finalmente ele sente a estima do pai para com ele, por ter vencido a competição. Ele deseja muito dividir esse momento com seu amigo Hassan, mas ele foi atrás da última pipa caída. Amir vai ao encontro de Hassan, ele nunca demorou tanto assim, e quando chega a um beco abandonado ele escuta... e adentrando mais e mais ele enxerga Hassan sendo brutalmente e covardemente violentado. Amir fica paralisado, falta coragem para intervir em tamanha crueldade, é Assef... Hassan já enfrentou Assef por ele estar zombando de Amir e agora ele não faz nada para se livrar de suas mãos? E pior, porque ele não consegue enfrentar tudo e todos para salvar seu melhor amigo?
Amir se sente tão covarde por não ter salvado seu amigo, que prefere manter seu conhecimento sobre o fato em segredo. Mas a culpa que ele passou a sentir perante a sua falta de coragem naquele momento, envenena lentamente o seu relacionamento com Hassan.
No seu aniversário de treze anos Amir recebe um presente especial, ele sempre gostou muito de ler e escrever, ele até lia algumas histórias para Hassan, e esse presente o deixou muito feliz, pois foi um caderno em branco, para que ele possa escrever suas histórias.
Mas ele não consegue mais tolerar a presença de Hassan em sua casa, e irá fazer algo, uma armadilha para que seu amigo e o pai dele possam ir embora daquela casa. Incriminá-lo.
A amizade, e o amor de Hassan são tão grandes em relação a Amir que mesmo sendo inocente ele prefere confessar o roubo a prejudicar seu melhor amigo, Ali se sente forçado a abandonar seu emprego, pegar seu filho Hassan e ir embora daquela casa, a qual serviu durante anos. Baba, o pai de Amir diz que é coisa de criança, uma brincadeira que Hassan cometeu, mas mesmo com os protestos e lágrimas do mesmo, Ali vai embora com sua família. Ainda que Amir nunca mais tenha visto Hassan novamente, ele se vê constantemente atormentado por tê-lo traído.
Com a guerra ainda mais violenta Amir e seu pai são obrigados a deixar o Afeganistão, para escapar do novo regime soviético, se mudam para os Estados Unidos.
Agora após anos seu pai é diagnosticado com câncer, Amir esta casado com Soraya. Um casamento tradicional, com muito amor e companheirismo. Porém ele não consegue esquecer seu amigo Hassan, ainda atormentado ele tem pesadelos e sempre se pergunta, por onde seu amigo anda, se esta vivo ou morto, ou o que aconteceu com sua vida.
Os anos se passam, Amir vira um brilhante romancista. Como não pode ter filhos ele e Soraya decidem adotar uma criança. Quinze anos já se passaram agora, quinze anos após a morte de seu pai, onde um telefonema pode mudar completamente o rumo da história.
Amir é chamado para voltar ao Afeganistão, ele reluta muito em atender a tal pedido. Feridas serão abertas, lembranças irão voltar à tona. Mas um segredo é revelado, Ali era estéril, Baba era o verdadeiro pai de Hassan.
Hassan, seu irmão...traído, humilhado e mesmo assim sempre o defendendo.
Quando Amir chega novamente ao Afeganistão, descobre que Hassan e sua esposa foram assassinados durante a guerra, e  que filho, seu sobrinho, foi levado para um orfanato.  Mas quando encontra tal orfanato descobre que seu sobrinho foi levado por soldados e esta sendo usado como escravo sexual.
Amir deve isso a Hassan, ele irá salvar seu filho, não irá se acovardar como havia feito com ele. Lutará até a morte para salvar o filho de Hassan.
Irá conseguir?
Amir irá adotar seu sobrinho?
Finalmente irá libertar-se da culpa que carrega desde a infância?
Esta é uma daquelas histórias inesquecíveis, que permanecem na nossa memória por anos a fio. Todos os grandes temas da literatura e da vida são retratador em O caçador de Pipas de uma maneira simples e perfeita. O material com que é tecido este romance é extraordinário. Amor, honra, culpa e medo, redenção. Cada página uma nova surpresa.



Titulo: O Caçador de Pipas
Titulo Original: The Kite Runner
Autor: Khaled Hosseini
Ano: 2003
Páginas: 365
Editora: Nova Fronteira

Boa Leitura

Casa de Livro Blog

Karina belo

Descobri que não é verdade o que dizem a respeito do passado, essa história de que podemos enterrá-lo. Porque, de um jeito ou de outro, ele sempre consegue escapar.


Quando você mata um homem, está roubando uma vida. Está roubando da esposa o direito de ter um marido, roubando dos filhos um pai. Quando mente, está roubando de alguém o direito de saber a verdade. Quando trapaceia esta roubando o direito à justiça.

Abri a boca e quase disse algo. Quase. O resto da minha vida poderia ter sido diferente se eu tivesse dito alguma coisa naquela hora. Mas não, não disse. Só fiquei olhando. Paralisado.
Uma criança que não se defende se torna um homem que não defende nada.

2 comentários:

  1. Oi Kah.
    Parabéns, ficou maravilhosa a resenha!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ná!!

      Tudo bem??

      Obrigada, fico feliz que tenha gostado e ainda mais feliz por estar acompanhando o blog! Espero que goste dos outros titulos ja postados e que aproveite os que irão entrar .

      Beijos!

      Casa de Livro.

      Excluir

Comente: