25 de abr de 2013

Antonio Mendez - ARGO



Olá Leitores!!
Hoje iremos comentar sobre uma obra que realmente aconteceu.
Baseado em fatos reais, Argo é uma história surpreendente. Lendo cada página ali escrita, você consegue se divertir, emocionar e também passar muito nervoso.
Argo irá nos mostrar como a CIA e Hollywood realizaram o mais estranho resgate da história.

                      

Tudo se inicia quando militantes iranianos revoltados, invadem a embaixada americana situada em Teerã.
Estamos em 1979 a tecnologia não é nada, se comparada aos dias de hoje, com uma revolução acontecendo e milhares de jovens acusando os americanos de serem espiões, os diplomatas terão que correr contra o tempo para destruir documentos com informações únicas, documentos muito importantes.
Eles então utilizam uma máquina que corta os papéis em tiras. Mas os iranianos não são completamente burros, eles contratam crianças para montar o quebra-cabeça de papéis picados.
Dessa forma eles conseguirão chegar ao número exato de pessoas que estavam trabalhando na embaixada quando ocorreu a invasão.
Hoje os militantes estão com cinquenta e três reféns, sendo torturadas e aprisionados na embaixada. Porém eles não poderiam prever que seis importantes diplomatas americanos conseguiriam fugir.                                                                                                                                
Enquanto tentavam encontrar um lugar seguro, os fugitivos passaram por várias situações de perigo, até que o embaixador canadense, Ken Taylor, decide ajudá-los.
Ken Taylor abriga os diplomatas, em sua própria residência em Teerã, colocando a embaixada canadense em grande perigo.
Sabendo que agora eles são hóspedes do embaixador Taylor, a CIA começa a agir. Antonio Mendez é o mestre do disfarce que trabalha para o governo americano. Casado e pai de dois filhos, ele sabe que pode nunca mais voltar a ver sua família.
Mas o esconderijo dos hóspedes pode estar ameaçado. Nas ruas militantes fazem rondas, Ken Taylor recebe visitas de iranianos importantes em sua casa, e também tem os empregados do embaixador.
 
Quem sob tortura não contaria a verdade?
Duas mulheres e quatro homens, nas mãos do governo americano. Eles serão salvos?
Antonio Mendez já esta trabalhando nos disfarces. Nomes, vistos, passaportes. Tudo sendo preparado para tirar os hóspedes de Teerã. E o próprio Ton irá acompanhá-los.
O plano é tão surreal, que é impossível alguém não acreditar. É impossível alguém imaginar que esta sendo usado para tirar americanos do país.
Operação ARGO, a CIA, juntamente com produtores de Hollywood, inventarão um filme. Antonio é os seis diplomatas serão produtores loucos que estão procurando locais para as filmagens do filme, no Irã.
Em Hollywood eles possuem atores, escritórios, funcionários. Se o governo iraniano for checar as informações, eles estarão seguros.
Mas os militantes já sabem dos fugitivos.
Os diplomatas americanos conseguirão escapar?
Argo, uma Teerã de 1979, onde os Estados Unidos é o maior inimigo. Uma revolução com cinquenta e três reféns e seis fugitivos. Só um plano cinematográfico poderá salvá-los.
Casa de Livro Recomenda!




                     
Titulo: ARGO
Titulo Original: Argo
Autor: Antonio Mendez
Ano: 2012
Páginas: 256
Editora: Intrínseca.

Boa Leitura.


Casa de Livro Blog.


Karina Belo









Nunca planejei me tornar um espião. Nunca ouvi uma vozinha em meus ouvidos dizendo que eu deveria me candidatar a uma vaga em serviços clandestinos. Na verdade, eu estava convicto de que minha carreira seria em belas-artes. Sob vários aspectos essa carreira se materializou, mas não foi da forma que eu havia previsto.

              


Minha primeira parada ao entrar no país foi a biblioteca no segundo andar da chancelaria em Teerã. A cidade parecia uma zona de guerra. Gangues armadas vagavam pelas ruas e não era incomum ouvir uma explosão em algum bairro distante. Mas talvez as características mais impressionantes fosse o povo em si, intimidado e apavorado.

       


Eu já tinha resolvido que assumiria o papel de gerente de produção, o que me daria uma razão lógica para transportar o portfólio, bem como para manter controle sobre todos do grupo. Meu parceiro, Julio, por sua vez, faria o papel de produtor associado, representando os pretensos patrocinadores sul-americanos da nossa produtora
             

Os seis americanos ficaram me fitando por um longo instante, talvez compreendendo pela primeira vez a extensão do que tínhamos feito para tirá-los de lá, o que incluía a montagem de uma produção cinematográfica fictícia, com escritório e funcionários que eram realmente de Hollywood.

               


- E onde você tirou o visto?
- Sabe é gozado... Eu não me lembro!
- Como assim você não se lembra? - Seu mentiroso! Você é um espião americano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: