3 de jul de 2015

QUE OS VELHOS MORTOS CEDAM LUGAR AOS NOVOS MORTOS - (Risíveis Amores) - Milan Kundera.


Milan Kundera sempre nos cativa com suas palavras simples, mas que nos passam o sentimento de realidade.
Histórias fantásticas que nos apresentam personagens distintos, porém sempre com características do nosso cotidiano.
Na obra “Risíveis Amores” o autor nos mostra uma coleção de contos especiais, cujo estamos resenhando um a um.
“Que os Velhos Mortos Cedam Lugar aos Novos Mortos”, nos apresenta um reencontro emocionante.
Ele é um homem na casa dos seus quarenta anos. Divorciado e com um emprego que lhe tira a paz.
Mas não reclama da vida que leva claro que existem momentos em que deseja a morte, mas acha a sua solidão acolhedora.
Ela é uma senhora viúva que hoje sofre com alguns lapsos de memória e um filho manipulador e controlador.
Dois corações que sofrem as tragédias da vida humana.
Perdidamente apaixonados a mais de vinte e cinco anos atrás, reencontrando em uma rua qualquer.
Será o destino os unindo?
Ele a chama para tomar um chá em sua casa.
Ela encontra-se desesperada pelo erro que cometeu e acaba aceitando o convite dele.
Desabafa com esse conhecido, há muito desconhecido.
Voltou à cidade para visitar o túmulo de seu marido.
E descobriu que por negligência, não renovou contrato.
Seu marido, um velho morto cedeu lugar para um novo morto.
Seu filho ficaria totalmente descontrolado de raiva. Ela tinha medo das consequências.
Pedirá ajuda a seu amigo?
Há vinte e cinco anos ele foi o grande amor da sua vida.
Seria essa uma nova oportunidade para os dois?
Uma linda e impressionante história.
Casa de Livro Recomenda.



Titulo: Que os Velhos Mortos Cedam Lugar aos Novos Mortos - Risíveis Amores
Autor: Milan Kundera
Páginas: 236
Ano: 1987
Editora: Nova Fronteira

Boa Leitura
Casa de Livro

Karina Belo.


Em seguida, ela sentou-se sobre ele, e ondulando os quadris, disse alguma coisa com a voz abafada, num murmúrio, mas era difícil saber se falava para ele ou para si mesma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: