22 de dez. de 2021

George R.R. Martin - A MORTE DA LUZ

Um planeta errante, vazio, chamado Worlorn, sem muitos atrativos e que não faz parte de nenhum sistema solar, vagando constantemente pelo universo,  e são raras as vezes que ele passa próximo a algum planeta ou estrela, até que ele se aproxima de um gigante sol, o Satã Gordo.  Este que é rodeado por mais seis menores sois,  essa aproximação faz com que Worlorn tenha luz por algumas décadas. Após esse evento, é realizado um festival que reúnem os principais mundos e constroem 14 cidades,  cada uma com características oriundas de seus próprios mundos, como um raio-x  de sua terra natal. A Morte da Luz se ambienta anos após o festival, quando Worlorn já se distância lentamente da grande roda de fogo, dando sequência em seu errante e eterno caminho, aonde já são poucas as pessoas que ainda habitam o planeta. Nosso protagonista Dirk t'Larien é chamado ao planeta por Gwen Delvano, seu antigo amor, por meio de uma joia sussurrante.

Achei muito interessante toda à idealização da obra, e com vários toques de originalidade, enriquecendo muito o ambiente onde a trama desenrola. Fugindo um pouco das histórias futuristas, aonde raças alienígenas dividem espaço com humanos, e guerras de naves pelo espaço, império contra rebeldes. Dando um tom mais sério na história. Apesar de que em alguns pontos o ritmo é lento.

Primeira obra do autor originalmente escrito em 1977, muito antes do best-seller “As crônicas de gelo e fogo”, A Morte da Luz já mostrava o fenômeno que Martin iria se tornar. Uma grande capacidade de criar personalidades, porém nesta obra, eles não são cativantes. Personalidades estas que são complexas e interessantes, nada de “bandido” ou “mocinho”, e nos traz culturas muito bem estruturadas e com características únicas, toda a elaboração de nomes, fundo histórico e a relação sociocultural é muito boa.

Mas, após ter criado um mundo fascinante, o autor poderia ter desenvolvido uma história melhor, você termina a leitura querendo algo a mais. 

Logo após ler o prólogo, o autor cria no leitor uma expectativa enorme, fazendo com que você espere por algo extraordinário.

O romance que envolve a obra é muito bom, porém confuso para o próprio Dirk t´Larien.

A descrição da floresta onde se passa a caçada é fantástica, e a excelente narrativa realmente nos transporta para o local. A trama envolve algo diferente e pra quem gosta de ficção é um excelente livro, todo o roteiro, é a tecnologia aplicada é muito interessante, a raças, as culturas, e toda a forma como a trama desenvolve. Martin realmente é muito bom, mas a consagração veio somente com a fabulosa e ambiciosa Crônica de Gelo e Fogo, porém tudo isso é muito natural, e a Morte da Luz não deixa a desejar para nenhum livro do gênero.

Os pontos negativos são poucos, e nenhum deles chegam a ser um demérito para obra, Casa de Livro Blog recomenda.

Autor: George R.R. Martin

Título: A Morte A Luz 

Título: Original: Dying of the Light

Ano Lançamento: 1977

Páginas: 336

Editora: LeYa

Nota: 4

Boa Leitura

Casa de Livro Blog

Sidney Matias

***

Quem foi George Raymond Richard Martin? 

Bayonne, 20 de setembro de 1948, nascido George Raymond Martin e mais conhecido como George R. R. Martin ou simplesmente GRRM, é um roteirista e escritor de ficção científica, terror e fantasia norte-americano. É mais conhecido por escrever a série de livros de fantasia épica As Crônicas de Gelo e Fogo.

Em 2005, Lev Grossman da revista Time chamou Martin de "o Tolkien americano", e em 2011, ele foi incluído na lista da Time das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: