14 de jan de 2015

O MISTÉRIO DE MARIE ROGET - (Histórias Extraordinárias) - Edgar Allan Poe.



Edgar Allan Poe tem um talento inquestionável. Suas obras conseguem levantar questões reflexivas e entreter pessoas das mais variadas gerações.
Histórias Extraordinárias, uma obra que é composta por contos que mantém o leitor concentrado do começo ao fim, para tentar desvendar os mistérios que cada um nos propõe.
“O Mistério de Marie Roget” o segundo conto que faz parte do livro, nos leva para mais uma investigação ao lado do talentosíssimo Dupin.
Dupin é um homem sagaz, que consegue desvendar casos aparentemente sem solução.
Quando soube do desaparecimento de Marie Roget e de sua possível morte, conseguiu identificar fios soltos na história, e começou a sua caçada para desvendar esse mistério.
Marie é uma bela jovem de 22 anos de idade. Encontrava-se as escondidas com certo rapaz da alta sociedade.
Poe ele apaixonada, não media esforços para se encontrarem, e se entregava de corpo e alma a essa paixão avassaladora.
Porém em um domingo que Marie saiu, informando que iria até a casa de sua tia, e não mais retornou, o inferno na vida de sua mãe começou.
Várias teorias foram levadas a tona.
A garota havia fugido com seu amante?
Teria ela se refugiado em qualquer outro lugar para se encontrar com outros rapazes?
Marie teria se matado?
E quando um corpo foi encontrado abandonado no rio, que a morte de Marie foi confirmada.
Mas quem realizou tamanha atrocidade?
Quem era o rapaz com quem se encontrava?
Dupin não acredita nas informações que vieram à tona, não acredita em nada que a impressa possa dizer.
Para ele existe algo que ainda não foi divulgado nessa história. Começará então uma caçada para descobrir a verdade sobre a morte dessa pobre moça.

 

Titulo: O Mistério de Marie Roget - Histórias Extraordinárias
Autor: Edgar Allan Poe
Páginas: 317
Editora: Otto Pierre Editores

Boa Leitura.
Casa de Livro.

Karina Belo.



A experiência mostra que os corpos de afogados, ou lançados à água imediatamente após uma morte violenta, necessitam de um período que vai de seis a dez dias para que uma decomposição suficiente os faça voltar à superfície. Um cadáver sobre o qual se dispara um tiro de canhão, e que se eleva antes que a imersão tenha durado menos de cinco ou seis dias, volta a mergulhar se abandonado a si mesmo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: