12 de jun de 2016

IT A COISA - Stephen King


Stephen King é sem dúvidas o grande mestre do terror. 
Cada uma de suas obras nos leva para lugares únicos. Com acontecimentos eletrizantes. 
O autor tem o grande poder de nos levar pela história, fazendo-nos sentir como os próprios personagens dessa viagem. 
"IT: A Coisa" é uma de suas melhores obras, a mais aterrorizante, e que nos deixa psicologicamente atordoados.
A cidade de Derry sempre foi pacata.
Lugar de pessoas simples e que sempre estavam dispostos a ajudar uns aos outros. 
Mas essa calmaria era rompida em momentos específicos. Ciclos que duravam vinte e sete anos, e depois... Tudo se transformava. 
Sete crianças.
Que tornavam-se amigas por conta do acaso ou destino. Sete jovens.
Almas ligadas pela eternidade.
Sete corações.
Batendo no mesmo ritmo, causando uma poderosa força.


Bill Denbrough, um garoto magrelo e gago. Sua saúde não era das melhores. 
Sempre foi considerado um líder. Mesmo com sua frágil aparência, sua força era avassaladora e suas palavras convincentes. Sentia a necessidade de comandar, pois a culpa em seu coração é arrebatadora. 
Ben Hanscom, um garoto grande para sua idade. Sempre ridicularizado pelos outros, por conta de seu peso. Tinha muita vergonha de sua aparência obesa, não tinha amigos. Mas sua inteligência era poderosa.
Richie Tozier, o mais engraçado e bobo da turma. Adorava inventar personagens e dar vida aos mesmos, com vozes hilariantes. Provaria até o fim ser um amigo leal. 
Eddie Kaspbrak, garoto tímido e baixinho para a sua idade. Sofria de asma, pelo menos de acordo com as informações de sua mãe, uma mulher neurótica que sempre encontrava uma doença no filho. Eddie estava sempre com sua bombinha de asma em mãos. Um garoto doce, que conquistava a todos. E dotado de um senso de direção sem igual.
Mike Hanlon, era mais uma vítima do preconceito, por ser negro. Garoto gentil, capaz de sacrificar a si próprio pelos amigos.


Beverly Marsh, a única garota do grupo. A mais linda que eles já conheceram. Bev sofria com a violência em sua casa. Durona, e provaria que ao lado dos amigos, tudo era capaz de enfrentar.
Stanley Uris, garoto apaixonado por pássaros. Stan era sensível, não era forte para enfrentar tudo. Mas acreditava que com a liderança de Bill, eles poderiam vencer. 
O que juntou esses sete garotos foi Henry Bowers e seus capangas Victor Criss e Arroto Huggins. Henry era o rapaz mais temido da cidade de Derry, adorava aterrorizar e bater nos menores.
Visivelmente perturbado, Henry aprontava as maiores atrocidades sem ninguém interferir.
Mas aqueles sete meninos, o grupo dos otários. Eles enfrentarão Henry, se juntarão para se proteger.
Após todas as fugas e guerras de pedras, Bowers queria matá-los e usaria de todas as oportunidades para fazer.
Os garotos, que se tornavam melhores amigos, não imaginavam que mais um ciclo estava se cumprindo.
Pennywise estava de volta.
A coisa acordou.


Agora a  brincadeira começaria.
Uma série de ocorrências passou a acontecer na cidade. Espancamentos, mortes, crianças desaparecidas e muito mais. Casos que as autoridades nem tentavam solucionar. Uma poderosa onda maligna, que já era aguardada.
A coisa se alimentava principalmente de crianças, e o jovem George Denbrough foi uma presa fácil para aquela noite chuvosa. 
Porém Pennywise não sabia que as crianças também poderia derrotá-lo, ou pelo menos tentar.
Bill jurou vingança, ao perder o irmão. Ele e seus amigos lutariam até o fim.
Mas aquele palhaço cheio de balões laranjas era sedutor e perigoso demais.
Usaria de todos os medos e truques para matar cada um daqueles pirralhos. Henry seria seu fantoche. Depois o mataria também.
O ciclo foi finalizado. 
Bill tem vinte e sete anos para planejar sua vingança.
Cada um de seus amigos, agora adultos, estavam ao seu lado.
Chegou a hora de voltar a Derry.


Precisam enfrentar seu maior medo.
Mas o que lhes aguarda é, literalmente, de matar.
Bill conseguirá voltar a Derry?
Estarão todos juntos novamente?
Conseguirão derrotar uma força tão poderosa?
Uma história de tirar o fôlego, que todos devem ler. 
Casa de Livro Recomenda.



O terror, que só terminaria 28 anos depois (se
terminasse), começou, até onde sei ou consigo
saber, com um barco feito de uma folha de jornal
flutuando por uma sarjeta cheia da água da chuva.

Titulo: It: A Coisa
Titulo Original: It
Autor: Stephen King
Ano: 1986
Páginas: 1103
Editora: Suma de Letras

Boa Leitura.
Casa de Livro.
Karina Belo.




Ele pode mesmo me pegar. Mas talvez eu consiga ficar longe do caminho dele na última semana de aula. Tenho quase certeza de que consigo se tentar de verdade. E ele vai esquecer durante o verão, eu acho. É. Ele é bem burro. Se ele não passar nessa prova, vai repetir de ano de novo. E se ele repetir, vou passar na frente dele. Não vou mais ficar na mesma sala que ele… Vou chegar no segundo segmento do fundamental antes dele. Eu… eu
talvez fique livre.



Eles andaram até o pequeno quarto dela juntos. Seu braço direito agora doía intensamente pelo golpe recebido. Ela olhou por cima do ombro e viu a pia sangrenta, o espelho sangrento, a parede sangrenta, o chão sangrento. A toalha sangrenta que o pai usou e pendurou casualmente no suporte. Ela pensou: Como posso entrar lá e me lavar de novo? Por favor, Deus, querido Deus, me desculpe se tive um pensamento ruim sobre meu pai, e o Senhor pode me punir por isso se quiser, eu mereço ser punida, me faz cair e me machucar ou me faz pegar uma gripe como no inverno passado, quando tossi tanto que cheguei a vomitar, mas, por favor, Deus, faz o sangue ter desaparecido de manhã, por favor, Deus, tá? Tá?


— Vocês precisam entender que nossas chances de sucesso são impossíveis de prever. Sei que não são boas, assim como sei que seriam um pouco melhores se Stan também estivesse aqui. Mesmo assim, não seriam boas, mas melhores. Sem Stan, o círculo que fizemos naquele dia está quebrado. Acho que não podemos realmente destruir a Coisa, nem mesmo mandar ela pra longe por um tempo como fizemos antes com o círculo quebrado. Acho que a Coisa vai matar a gente, um a um a um, e provavelmente de formas horrendas. Quando crianças, formamos um círculo completo de alguma forma que não entendo até hoje. Acho que, se concordarmos em ir em frente, teremos que tentar formar um círculo menor. Não sei se pode ser feito. Acredito que deve ser possível pensar que conseguimos para acabarmos descobrindo quando for tarde demais… se… que era tarde demais.


Bill se segurou na beirada áspera do concreto e foi descendo, passo a passo e degrau a degrau. Eddie o estava segurando com tanta força que Bill mal conseguia respirar. A bolsa dela, meu bom Deus, como a bolsa dela veio parar aqui? Não importa. Mas se o Senhor estiver aí, Deus, e se estiver atendendo pedidos, faça com que ela esteja bem, não permita que ela sofra pelo que Bev e eu fizemos hoje nem pelo que eu fiz no verão quando era criança… e foi o palhaço? Foi Bob Gray quem a pegou? Se foi, não sei nem se Deus pode ajudar ela.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente: